quinta-feira, 23 de março de 2017

sobre d e s a p a r e c e r

hoje quase senti o gosto do não existir
não falo de morte
mas apenas de um desaparecer
um querer sumir, dissolvendo-se de tudo
de todos
senti escorrer pelos dedos a última gota
aquela derradeira
não de sangue
mas de ilusão
me despi das ilusões, das confusões
me despi de mim
para me encher de manoel e florbela
um pouco de galeano
um pouco mais de camille
e respirei mais leve

.é que às vezes faz falta alguma poesia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário