quinta-feira, 14 de julho de 2016

uma pequena tempestade vinda do norte tirou-a do chão de súbito. gotas salgadas se avolumavam em seus cílios como pequenos cristais incandescentes antes que pudesse parpadear, dando um mover estranho às coisas ao seu redor. milhares de tortos quadros randômicos vagavam por sua máquina de escrevinhar pensamentos: eram detalhes que ela nunca veria, minutos incumpridos no tempo e no espaço, nuances de fatos desacontecidos ou acontecidos em sua ausência. um assombro acompanhou a tempestade. que faria com essa inundação de incertezas? seria sua vida sempre metade do que deveria? onde alcançar esse sonhos recém-sonhados, mas tão distantes do recém-traçado caminhar?

Nenhum comentário:

Postar um comentário