segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

sobre essa rotina

te faço a mesma pergunta
[ t o d o s - o s - d i a s ]
bem lá no fundo eu já sei a resposta
mas,
por algum motivo,
alguma esperança boba,
espero que hoje
[ a p e n a s - h o j e ]
seja diferente
escrevendo assim parece poesia
mas nesse dia a dia louco e cruel
é tortura
faz mal esperar, esperar, esperar
é sempre uma espera sem fim
e,
pior,
a espera é por sei-la-o-quê
o que que a gente faz com essa espera?
eu aprendi a não ter respostas
a me contentar com essas milhares de perguntas
...que inundam meu coração
depois é só desaguar no papel
respirar fundo
e esperar outra vez

por um sei-lá-o-quê
que vem sei-lá-como
sei-lá-quando

Nenhum comentário:

Postar um comentário